40 freiras infectadas com coronavírus no Convento de Sevilha – Espanha

Igreja na Espanha

40 freiras infectadas: esta é a situação delicada em que se encontra o convento de Santa Ângela da Cruz, em Sevilha, no sul da Espanha. De fato, as autoridades de saúde da cidade chegaram a isolar o local por causa do surto de covid-19 que atingiu a maior parte da comunidade das Irmãs da Cruz.

De acordo com a imprensa espanhola, vivem hoje no convento cerca de 60 freiras. Todas elas, aliás, mantêm contato permanente com pessoas enfermas, já que o seu carisma é justamente cuidar dos doentes e atendê-los em suas casas.

O jornal ABC, por exemplo, reproduziu a seguinte declaração das irmãs:

“Esta doença é a cruz do mundo e nós somos as Irmãs da Cruz”.

O convento da Mãe de Deus, que também fica em Sevilha, foi outro que sofreu interdição por causa da pandemia de covid-19. Todas as suas religiosas foram infectadas pelo novo coronavírus. No entanto, a situação se normalizou no último dia 2 de outubro, quando a última das irmãs enfermas recebeu alta.

Situação semelhante atingiu ainda o mosteiro de Santa Paula. Neste caso, 19 religiosas ficaram doentes – e todas, felizmente, já se recuperaram. Durante a quarentena, porém, elas não puderam trabalhar na produção de seus doces e compotas. Por isso, o convento agora enfrenta o desafio adicional de equilibrar as contas, porque o sustento econômico da comunidade depende da venda desse produtos. A irmã Tiyama Irimpan, que é a superiora do convento, pediu as orações dos católicos da região e manifestou a esperança de que, aos poucos, a situação se normalize. Além disso, ela também convidou os moradores dos arredores a visitarem o convento e o seu museu, respeitando as precauções necessárias em relação à pandemia.

POR: ALETEIA