Ajuda da Santa Igreja em Uganda chega a mais de um milhão de pessoas atingidas pela pandemia

Igreja na África

Com um aporte que chega a US$ 400.000, a Caritas Uganda conseguiu ajudar mais de um milhão de pessoas afetadas pela pandemia de Covid-19 em sete dioceses católicas do país.

De acordo com um balanço apresentado no site da Conferência Episcopal de Uganda, desde que o governo determinou, em 21 de março, os chamados “Procedimentos Operacionais Padrão” (POP) para estabelecer restrições a reuniões públicas, a quarentena obrigatória, testes para casos suspeitos, proibição de transporte público e a estrita observância de higiene, as pessoas tiveram que enfrentar grandes desafios diante da grave situação econômica e social causada pela emergência em saúde.

Uma situação que para a Caritas Uganda tem sido uma oportunidade especial para contribuir com o esforço nacional para conter a propagação do vírus, proporcionar assistência social e uma vida significativa. Até agora, a resposta tem sido significativa, pois seus aportes atingiram mais de 1.230.000 pessoas necessitadas entre ugandenses, refugiados e requerentes de asilo.

O apoio da Caritas tem sido na forma de serviços domésticos, alimentos, equipamentos de proteção individual (EPI), materiais sanitários e dinheiro para pessoas com necessidades especial, como futuras mães e idosos, que foram canalizados pelas dioceses.

Na Arquidiocese de Gulu, a Caritas apoiou a força-tarefa distrital com combustível, campanhas de conscientização por meio de programas de rádio, fornecimento de materiais de higiene, detergentes, recipientes com água, bacias e desinfetantes e gerenciamento de casos para pessoas em quarentena.

A rede Caritas também apoiou o governo na capacitação de equipes de vigilância para rastrear possíveis surtos de contágio e na preparação de profissionais de saúde diante dos casos de óbitos. Da mesma forma, ofereceu 2 veículos com motoristas em tempo integral para vigilância, beneficiando assim um total de 200.000 pessoas.

A assistência foi estendida a 4.000 refugiados no acampamento de Pagirinya, onde a Caritas distribuiu materiais de higiene, que incluíam barras de sabão, locais para lavar as mãos, máscaras e desinfetantes para as mãos dos líderes dos refugiados e pessoas de recursos comunitários.

Em Kasana Luweero, Caritas beneficiou mais de 7.800 crianças em lares para órfãos e 25 centros de saúde receberam equipamentos de proteção e capacitação para 50 profissionais de saúde que chegam a cerca de 500 povoados com informações preventivas.

Além disso, por meio da Organização de Desenvolvimento da Diocese de Masaka, foram adquiridas e distribuídas instalações para lavar as mãos, sabão e alimentos para os ilhéus afetados pelo confinamento, além de fornecer transporte para as gestantes acessarem os cuidados maternos, chegando a um total de 3.245 pessoas beneficiadas.

Caritas Kampala distribuiu materiais de saúde e máscaras para 69 paróquias, incluindo lares para crianças e jovens, ajudando pelo menos 196.712 pessoas; a Caritas Nebbi apoiou um total de 5.115 pessoas nos distritos de Zombo e Packwach; já a Caritas Tororo ajudou mais de 6.411 pessoas, com a capacitação de pessoal, fornecimento de equipamentos para lavar as mãos e promoção e conscientização por meio da rádio.

Caritas Fort Portal, que abrange os distritos onde a agricultura é a principal atividade econômica, garantiu que os agricultores recebessem materiais de conscientização e de higiene para pelo menos 5800 pessoas; Caritas Hoima, que opera em uma área identificada como um dos pontos mais afetadas pela Covid-19, realizou um trabalho de conscientização por meio de agentes de saúde da aldeia e do rádio, atingindo cerca de 8.000 pessoas; e Caritas Kasese, que trabalha nos distritos fronteiriços de Uganda com a República Democrática do Congo, também se concentrou na conscientização da população pela rádio e materiais de informação, para garantir que a comunidade compreenda a gravidade da pandemia.

O escritório nacional (Caritas Uganda), que lançou um plano de resposta em três Dioceses  – Kasese, Nebbi e Gulu – juntamente com o Escritório Médico Católico de Uganda, entregou equipamento de proteção individual (EPI) às unidades de saúde nos distritos de alto risco, forneceu instalações de saneamento às casas e centros mais vulneráveis ​​e lançou uma campanha de conscientização em vários locais.

A Conferência Episcopal do Uganda, através de seu presidente, Dom Joseph Anthony Zziwa, agradeceu o trabalho da rede Caritas e, em particular, os benfeitores, pedindo um espírito de fraternidade contínuo, já que a pandemia de Covid-19 continua a impactar a vida das pessoas.

POR: Vatican News Service – ATD