Após repercussão: Israel libera vistos para cristãos de Gaza celebrar o Natal em Belém e em Jerusalém

Igreja

A Unidade de coordenação das atividades do governo israelense nos territórios palestinos (COGAT) difundiu no domingo (22/12), via tuíter, a informação de que as autoridades de Israel estão dispostas a conceder a cristãos residentes na Faixa de Gaza os vistos necessários para que possam chegar a Jerusalém, Belém e outras áreas da Cisjordânia em concomitância com as festividades natalinas.

O anúncio foi feito pelo general Kamil Abu Rukun, chefe da referida unidade israelense. Na informação difundida pelo organismo especificava-se que os vistos serão concedidos a cada um baseado em “avaliações de segurança” e sem levar em consideração a idade dos requerentes.

Vistos negados e depois concedidos

Este ano, a falta, até o último momento, da concessão dos vistos necessários aos cristãos de Gaza para poder celebrar a solenidade do Natal nos Lugares Santos de Belém e Jerusalém tinha sido ressaltada com pesar por influentes expoentes eclesiais.

Já se tornou um rito anual, os vistos primeiro são negados e depois concedidos. Este ano, porém, parece que os vistos, se houver, serão concedidos pouco a pouco, dissera o administrador apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém, o arcebispo Pierbattista Pizzaballa.

Vistos a Belém, Nazaré ou Jerusalém para o Natal ou a Páscoa

Agora, a abertura in extremis à concessão de vistos, na véspera da celebração do Natal, torna difícil prever quantos cristãos de Gaza terão condições de aproveitar das novas disposições publicadas pelas autoridades israelenses.  Segundo fontes locais, no momento resultam efetivamente concedidos menos de 60 vistos.

Em anos recentes, as autoridades israelenses por vezes garantiram um número limitado, mas consistente de vistos reservados aos cristãos de Gaza que queriam ir sobretudo a Belém, Nazaré ou Jerusalém para celebrar nestes lugares as festas cristãs do Natal ou da Páscoa.

Ano passado, concessões com restrição de idade

Já no ano passado foi registrada uma limitação consistente dos vistos concedidos pelas autoridades de Israel, que tinham sido reservados somente a pessoas com idade superior a 55 anos.

Em dezembro de 2015 as autoridades israelenses concederam 600 vistos nominativos a cristãos residentes na Faixa de Gaza para permitir-lhes visitar os Lugares Santos – a começar pelos situados em Belém – por ocasião das festividades natalinas. Os vistos concedidos naquela ocasião tinham uma duração mensal, e nenhum visto tinha sido concedido a pessoas na faixa etária entre os doze e trinta e cinco anos.

Emigração, sintoma de que ninguém acredita em mudança

Os cristãos na Faixa de Gaza são a essas alturas pouco mais de mil, em grande parte greco-ortodoxos, numa população ao todo de dois milhões de palestinos. A pequena realidade cristã da Faixa continua diminuindo: os jovens que conseguem, deixam a terra em que nasceram para emigrar, ao tempo em que nas igrejas muitas vezes se celebram as exéquias dos anciãos que concluem sua vida terrena.

As muitas partidas são um sintoma de que ninguém acredita numa mudança próxima, face a uma condição coletiva marcada pelo isolamento internacional, pela falta de trabalho e pela ameaça jamais superada de novas guerras.

FIDES