Arquidiocese de Munique – Alemanha prepara processo de beatificação de jovem católico corajoso antinazista

Igreja

A Arquidiocese de Munique-Freising, na Alemanha, informou na segunda-feira que se prepara para abrir o processo da causa de beatificação de um membro do grupo de resistência antinazista denominado “Rosa Branca”.

Na segunda-feira, 12 de outubro, a Arquidiocese de Munique e Freising, na Alemanha, anunciou que estava iniciando “o processo de preparação para um procedimento da beatificação” de Wili Graf, membro do grupo de resistência antinazista denominado “Rosa Branca” que foi executado pelos nazistas por ódio à fé, em 1943.

Wili Graf supervisionava o recrutamento para o movimento Rosa Branca, um grupo antinazista não violento, liderado por estudantes fortemente influenciados pelos escritos de São John Henry Newman.

Seis meses nas prisões da Gestapo, antes de ser morto

Wili Graf, estudante de medicina, nasceu em 1918, foi preso e condenado à morte em 19 de abril de 1943.
Ele passou seis meses nas masmorras da Gestapo onde era interrogado e torturado com o intuito de fornecer informações, apontar participantes e adeptos e revelar detalhes daquela organização de resistência de orientação católica.
Wili se recusou a dar as informações pedidas, ou fornecer qualquer pista, mesmo estando debaixo de torturas físicas e psicológicas.
Foi por isso mesmo que sua execução se tornou uma saída para os nazistas: Ele foi executado – provavelmente por guilhotina – no dia 12 de outubro de 1943, na prisão de Stadelheim, em Munique.

No aniversário da morte do jovem católico anti-nazista Wili Graf, a Arquidiocese de Munique e Freising confirmou os preparativos para promover a causa de beatificação de Wili Graf.

Teólogos e historiadores já investigaram a vida e os escritos

A Arquidiocese de Munique e Freising confirmou seus preparativos para fazer avançar sua causa no aniversário de sua morte.
A arquidiocese já havia aberto uma investigação preliminar para o processo de beatificação, em 2017.
Nos últimos três anos, teólogos e historiadores investigaram a vida e os escritos de Graf. Concluída essa etapa, o próximo passo será a abertura da causa de beatificação.

Mais dois outros católicos antinazistas podem ter seus processos de beatificação iniciados
A arquidiocese de Munique-Freisng concluiu também investigações preliminares relacionadas a dois outros católicos alvos de perseguição do Terceiro Reich.
Em 16 de dezembro de 2017, foi lançado o processo de beatificação de Fritz Gerlich, jornalista que denunciou publicamente Hitler, e Romano Guardini, um dos principais teólogos do século 20 que foi forçado a renunciar a um cargo acadêmico por causa de suas críticas aos nazistas.

Neste dia estou deixando esta vida e entrando na eternidade…

Wili Graf foi executado quando tinha 25 anos e, naquele dia, escreveu uma carta a seus pais onde lhes dizia:
“Neste dia estou deixando esta vida e entrando na eternidade. O que mais me dói é que estou causando muita dor a vocês que continuam vivendo. Mas, força e conforto os senhores encontrarão em Deus e é por isso que estou rezando até o último momento. ” (JSG)

POR: GAUDIUM