Bebê se salva da morte após receber batismo das mãos de bombeiro

Pró-família

Um bebê de apenas um mês de idade foi salvo recentemente das garras da morte após receber o batismo das mãos de um ex-seminarista que servia como bombeiro voluntário.

Segundo a página do Facebook de ‘Bomberos Ciudad del Este’, no Paraguai, em 24 de outubro, às 14h50 (hora local), “recebemos uma ligação de uma estudante de medicina desesperada pedindo ajuda para um bebê com apenas 1 mês de idade, filho de outra menina de 13 anos”.

No podemos dejar de contarles lo sucedido el dia de hoy, Jueves 14:50 ! ❣Recibimos una llamada de una estudiante de…

Posted by Bomberos Ciudad del Este on Thursday, October 24, 2019

 

Os bombeiros chegaram com pressa e, “quando chegamos, encontramos a cena de uma menina com um bebê nos braços, seus sinais vitais eram quase imperceptíveis”.

“Sem tempo a perder, a ambulância deu a volta e os voluntários iniciam uma corrida entre a vida e a morte deste pequeno cidadão de Ciudad del Este, oxigenando-o constantemente e realizando manobras para que ele pudesse reagir”.

Quando chegaram ao hospital, um deles, o bombeiro Jorge Corvalán, que foi seminarista, “pede um pouco de água e batiza o bebê”.

“Nesse momento, o bebê milagrosamente e incrivelmente reage diante de nossos olhos e é internado na urgência pediátrica do Hospital de Traumas, deixando-o sob os cuidados dos médicos plantonistas”.

De acordo com o numeral 1256 do Catecismo da Igreja Católica, “em caso de necessidade, qualquer pessoa, mesmo não batizada, que tenha a intenção exigida, pode batizar, utilizando a fórmula batismal trinitária. A intenção requerida é querer fazer o que a Igreja faz quando batiza. A Igreja vê a razão desta possibilidade na vontade salvífica universal de Deus e na necessidade do Batismo para a salvação”.

Para os bombeiros paraguaios, “talvez seja difícil de acreditar, ou tenha sido coincidência, mas temos a certeza e estamos emocionados de que, no dia de hoje, um pequeno cidadão de Ciudad del Este faz parte de uma das histórias mais comoventes e emocionantes de nossa instituição”.

ACI