Bispo de Pemba no Moçambique pede orações pelas famílias deslocadas por ataques terroristas

Igreja na África
A Igreja em Pemba, na província de Cabo Delgado (norte de Moçambique), neste mês de julho em que o Papa Francisco apela à oração focada nas famílias, reitera a sua proximidade e solidariedade a milhares de famílias deslocadas devido aos ataques terroristas naquela região do País.

Em entrevista ao Vatican News, a partir de Pemba, o Bispo da Diocese, D. Luiz Fernando Lisboa, afirma que a situação de deslocados é preocupante na província de Cabo Delgado, empurrando milhares de familias para o desespero e sofrimento.

Bispo classifica de penosa a situação das famílias

D.  Lisboa refere que ao nível daquela diocese a pastoral da família tem estado a rezar pelas famílias, sobretudo aquelas que na guerra perderam os seus entes queridos, pelos deslocados e outros afetados pela violência armada. O prelado retrata a situação de várias famílias em Cabo Delgado, a norte de Moçambique.

Segundo D. Lisboa, a Igreja pretende ser uma presença amorosa de Deus para ajudar as famílias que caíram no desespero, para que elas não desfaleçam na fé e recuperem a sua autoestima e esperança, pois Deus não os abandonou.

Caritas em apoio às vítimas dos ataques armados

Ainda de acordo com o Bispo de Pemba, D. Luiz Lisboa, a Igreja continua a trabalhar no sentido de ajudar milhares de famílias deslocadas, através da assistência prestada pela Caritas, braço humanitário da Igreja Católica.

De referir que a dramática situação de violência em Cabo Delgado, que já dura quase três anos, esteva no centro da mensagem “Urbi et Orbi” pronunciada pelo Papa Francisco no passado 12 de abril, domingo da Páscoa. E não só: dela também se falou durante a última Plenária da Conferência Episcopal de Moçambique (CEM), realizada de 9 a 13 de junho na Matola, no Seminário de Santo Agostinho.

Apelo à solidariedade face à grave crise humanitária

No fim dos trabalhos, os prelados publicaram uma mensagem dirigida particularmente aos fiéis de Cabo Delgado: no documento, se deploram os dramáticos eventos naquela Província e se pede a todos uma maior “sensibilidade e solidariedade”, com destaque para a grave crise humanitária que se vive na região.

Precisamos de uma resposta urgente a esta tragédia, que continua a semear luto e dor,  deixando um rasto de destruição severa de residências, para além doutras infra-estruturas sociais e econômicas, públicas e privadas – escrevem os Bispos na mensagem. “É preciso intervir sobre as causas do conflito também através da promoção de projetos de desenvolvimento e a prestação de serviços essenciais, como os relacionados com a saúde e a educação”.

POR: Hermínio José – Maputo, Moçambique – Vatican News