Canonizado Bartolomeu dos Mártires, um dos mais conceituados padres do Concílio de Trento

Igreja

Igreja em Portugal celebrou no domingo, 10 de novembro, a canonização equipolente de São Bartolomeu dos Mártires, Arcebispo de Braga e um dos mais “conceituados padres do Concílio de Trento”.

O Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Cardeal Angelo Becciu, presidiu a Missa em ação de graças, na Catedral de Braga, durante a qual leu o decreto de canonização do novo santo português.

Participaram da Eucaristia o presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Dom Manuel Clemente, o Arcebispo de Braga, Dom Jorge Ortiga, outros bispos das dioceses de Portugal e clero dos territórios onde foi Frei Bartolomeu foi bispo, bem como da Ordem dos Pregadores (dominicanos).

Em sua homilia, o Cardeal Becciu explicou a canonização de Frei Bartolomeu dos Mártires. Segundo ele, “a expansão do seu culto para além dos confins da Arquidiocese de Braga e a relevância eclesial da sua santidade e da incidência do seu ensinamento sobre a prática cristã e sobre a evangelização levaram o Santo Padre Francisco a incluí-lo definitivamente no elenco dos santos”.

Conforme assinalou a Agência Ecclesia, do episcopado português, o Purpurado também pontuou os “motivos de conveniência pastoral para esta canonização”, que inclui a “profundidade da sua cultura teológica e do seu ensinamento como doutor e exemplar mestre da ordem dos pregadores”.

Além disso, ressaltou seu “forte empenho pela reforma da Igreja e a renovação da vida cristã”, assinalando que Bartolomeu dos Mártires foi um dos mais “férvidos  e conceituados padres do Concílio de Trento, o mais importante acontecimento eclesial quinhentista”.

Para o Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, “a grande atualidade” da mensagem de Bartolomeu dos Mártires pode ser entendida “especialmente no âmbito doutrinal e pastoral, como homem de oração, grande evangelizador e bispo totalmente dedicado às pessoas a ele confiadas”.

Nesse sentido, recordou a “incansável renovação da diocese” promovida pelo novo santo, o qual visitava as 1300 paróquias a cada três anos.

Por sua vez, o atual Arcebispo de Braga, Dom Jorge Ortiga, considerou que a “graça da declaração” da santidade de Frei Bartolomeu dos Mártires “nunca poderá ser interpretada como acontecimento passado sem incidência no cotidiano das pessoas e das dioceses”.

Já o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, disse aos jornalistas após a celebração que o “Papa Francisco reconhece no novo santo exatamente a sua mensagem: partir para as periferias e para os que mais sofrem e marginalizados”.

São Bartolomeu dos Mártires nasceu em Lisboa a 3 de maio de 1514. Foi arcebispo de Braga em uma ocasião em que a Arquidiocese incluía os territórios das dioceses de Braga, Bragança, Vila Real e Viana do Castelo.

Afirmou-se como uma das vozes de referência no Concílio de Trento (1543- 1563). Também ficou conhecido por sua preocupação com a estruturação da Igreja Católica local e pelo seu empenho nas causas sociais, de modo particular junto dos mais pobres e doentes.

Depois de renunciar em 1582, por motivos de idade, Frei Bartolomeu dos Mártires faleceu em 1590, no Convento de Santa Cruz, em Viana do Castelo.

Também em Viana do Castelo, a canonização de São Bartolomeu dos Mártires foi recordada na sábado, 9 de novembro, com uma vigília de oração, na Igreja de São Domingos, onde ele está sepultado por sua vontade expressa.

Em sua homilia, o Bispo de Viana do Castelo, Dom Anacleto Oliveira, se referiu ao novo santo português como “um exemplo para todos os tempos”. De acordo com o Prelado, Bartolomeu dos Mártires “entranhou as enfermidades do seu povo”.

ACI