Foi curado milagrosamente por intercessão de Madre Riquelme: “Ela é minha companheira”

Igreja

Há 16 anos, Nelson Yepes sofreu uma pancreatite grave. Tinha entre 90 e 100% de chance de morrer, segundo os médicos. Sua família pediu a cura dele para Madre Emilia Riquelme Zayas e ela intercedeu para obtê-la. Por isso, agora Nelson está em Granada (Espanha), onde participará da beatificação da religiosa.

Quando Emilia Yepes, irmã de Nelson e religiosa da Congregação das Missionárias do Santíssimo Sacramento e Maria Imaculada, fundada por Madre Emilia Riquelme, soube do estado tão grave de seu irmão, pediu a todos os seus conhecidos que começassem uma novena para Madre Emilia e também colocou uma foto da religiosa debaixo do travesseiro da cama de hospital de seu irmão.

Emilia pediu que, através da intercessão de Madre Emilia Riquelme, Deus concedesse a cura para o seu irmão Nelson.

Nelson Yepes afirmou que o milagre fez sua fé em Deus crescer. Crédito: Arquidiocese de Granada.

Dr. Samuel Blanco, que atendeu Nelson nesses momentos difíceis, explicou que “seus sinais vitais estavam comprometidos” porque tinha uma inflamação muito grave no pâncreas que era incurável, a menos que “um milagre acontecesse”. E foi assim, porque Nelson se recuperou completamente da pancreatite grave.

Segundo Nelson Yepes explicou a ACI Prensa, agência em espanhol do Grupo ACI, esse milagre do qual é o protagonista fez com que “sua fé em Deus seja maior”, “fez-me desapegar do material, agradeço mais a Deus por tudo que acontece comigo e também trabalho mais”.

Além disso, explica que, embora Madre Emilia Riquelme já fosse “sua companheira” desde antes de interceder por seu milagre, agora o é mais do que nunca. “Todos os dias de manhã me levanto e agradeço por estar vivo e sempre tenho uma imagem da Madre Emília comigo, ela é minha companheira diária. Diante de qualquer dificuldade ou conquista, invoco a Deus, mas também a ela”, assegurou a ACI Prensa.

Nelson também destacou que a Madre Emilia Riquelme repetia com frequência que ela “não queria ser santa sozinha, mas que os demais também fossem santos” e como colocava tanto cuidado e atenção “na Missa e nas coisas de Deus”.

Maria Emília Riquelme, fundadora da Congregação das Missionárias do Santíssimo Sacramento e Maria Imaculada, será beatificada neste sábado na Catedral de Granada. Segundo a organização, espera-se que 4.500 pessoas participem e que 270 voluntários colaborem.

ACI