Igreja em Moçambique defende via de diálogo para paz e reconciliação no país

Igreja na África
A Igreja em Moçambique, duas semenas após a tomada de posse do Presidente da República Filipe Nyusi para o seu segundo mandato, reitera a necessidade de o novo governo moçambicano primar pelo diálogo e restauração de uma paz efectiva e definitiva no país.

Face aos ataques que assolam algumas províncias das regiões centro e norte de Moçambique, o Chefe de Estado prometeu uma luta sem tréguas, até que cessem os ataques. No entanto, o Arcebispo de Maputo, D. Francisco Chimoio, reitera que deve se pôr um basta ao derramamento de sangue no país. Dom Chimoio falava esta sexta-feira, aos microfones do Vatican News à margem da inaguração de uma escola, em Maputo.

Não há paz sem reconciliação

Por seu turno o Pe. Fidel, do clero diocesano da Beira, no centro de Moçambique, afirma que a paz implica tantos outros factores, como a reconciliação entre os moçambicanos. O sacerdote falou do real valor e do sentido da paz.

Para a Irmã Rita da Silva, não se pode falar da paz sem a justiça, a liberdade de expressão e de pensamento.

De referir que o Presidente da República promteu no seu discurso inaugural após a sua tomada de posse, que vai trabalhar com todos os segmentos da sociedade, a exemplo da Igreja,  com vista a manter um clima de diálogo visando a restauração e manutenção de uma paz efectiva e duradoira em Moçambique.

VATICAN NEWS