Iniciativa pró-vida salva 750 bebês da pílula abortiva

Pró-família

Mais de 750 vidas foram salvas nos Estados Unidos graças ao trabalho da Heartbeat International, uma iniciativa pró-vida que criou a chamada “Rede de Resgate das Pílulas abortivas” (Abortion Pill Rescue).

“Dado que 40% de todos os abortos nos Estados Unidos ocorrem através da ‘pílula abortiva’, é mais importante do que nunca que as mulheres conheçam a Rede de Resgate das Pílulas Abortivas de Heartbeat. Como esses números continuam aumentando, acreditamos que nenhuma mulher deveria se sentir obrigada a fazer um aborto do qual se arrependerá imediatamente”, indicou Cindy Boston, vice-presidente da organização, em um comunicado.

Segundo Boston, a rede já salvou a vida de 750 bebês graças ao trabalho de mais de 800 profissionais médicos capacitados que administram o protocolo de reversão contra a pílula.

“A Rede, através do centro de contato Option Line -único centro de contato bilíngue e com pessoal completo nos Estados Unidos- atende 24 horas do dia, 7 dias por semana, a mais de 200 ligações por mês de mulheres que se arrependem de sua decisão de abortar”, informou.

Boston esclarece que “toda mãe merece o direito de proteger seu próprio filho, independentemente das decisões que tomou no passado” e, para isso, a Rede de Resgate das Pílulas Abortivas “permite que as mulheres escolham a vida para si e para seu bebê”.

A pílula abortiva vem em duas partes e é aprovada para uso até a 10ª semana de gestação nos Estados Unidos. A primeira substância química, a mifepristona, é a primeira pílula usada em um aborto químico e bloqueia os efeitos da progesterona, um hormônio necessário para que a gravidez se desenvolva.

A segunda substância, o misoprostol, expele o bebê. Se uma mulher se arrepende depois de tomar a primeira pílula, a gravidez pode ser salva pela Rede de Resgate das Pílulas abortivas.

A Heartbeat International é a primeira rede pró-vida de centros de recursos para gravidez fundada nos Estados Unidos (1971) e é hoje uma das maiores redes do mundo.

A organização conta com uma rede afiliada de mais de 2.600 sedes de ajuda para grávidas, que incluem clínicas médicas (com ultrassom), centros de recursos, casas de maternidade e agências de adoção em cerca de 62 países em todo o mundo para oferecer alternativas para o aborto.

Fonte: ACI