Multinacional do aborto mira latinos com apoio de famoso time esportivo

Pró-família

A organização abortista Planned Parenthood nos Estados Unidos colocou a mira na comunidade latina e, para isso, conta com a colaboração financeira de um conhecido time de futebol americano, os Green Bay Packers.

Em dezembro de 2019, informa ‘National Catholic Register’, a Green Bay Packers Foundation anunciou que a filial de Planned Parenthood em Wisconsin seria uma das 192 organizações que receberiam ajuda financeira, o que gerou diversas críticas.

Segundo Fox 11 News, a ajuda é de 3 mil a 6 mil dólares para ser usados no programa “Cuidando-nos, cresceremos mais saudáveis (CCmáS)”.

O programa oferece 50 dólares em dinheiro para as famílias latinas que organizam uma pequena reunião em suas casas, na qual a Planned Parenthood se dirige a eles e seus amigos sobre temas como sexualidade, obrigação de se envolver na sociedade e comunicação com o governo.

“Esta ajuda é uma paródia para todas as pessoas boas de Wisconsin que admiram os Packers desde a época de Vince Lombardi, um importante treinador católico que agora deve estar rolando em seu túmulo. Por que eles fazem isso?”, perguntou Dan Miller, diretor de Pro-Life Wisconsin.

Lombardi foi um importante treinador de futebol americano que levou os Packers a cinco campeonatos da National Football League (NFL), incluindo duas vitórias nos dois primeiros Super Bowls.

Tanya Atkison, presidente e CEO de Planned Parenthood Wisconsin, disse a Fox 11 News que o programa CCmáS busca ajudar as mulheres a combater o câncer que “duplicará nos próximos 10 anos”.

Sobre isso, Miller disse que “chamaria o programa CCerp, porque o programa não ajuda em nada ao combate ao câncer na comunidade latina”, mas foca em outros temas.

O líder pró-vida assinalou que o principal foco do programa de Planned Parenthood é o aborto, “sua principal fonte de dinheiro para sua conta bancária”.

Segundo os últimos dois relatórios de Planned Parenthood de Wisconsin, a organização realizou 500 abortos a mais em 2018 com relação a 2017.

Miller também disse a NCR que, entre 2015 e 2019, ajudou a salvar 620 bebês do aborto, mas também foi testemunho do aborto de mais de 15 mil bebês, “esse é um imenso peso espiritual”.

A Planned Parenthood de Wisconsin não respondeu a NCR, que lhe pediu uma declaração sobre este tema, mas respondeu um e-mail em espanhol no qual lhe era pedido mais informações sobre as reuniões do programa CCmáS.

Miller também lamentou a resposta da Igreja local. “A Igreja Católica não respondeu publicamente a este escândalo”, indicou. O NCR entrou em contato com o vigário para o ministério hispânico da Arquidiocese de Milwaukee, que não respondeu até o fechamento da edição do NCR.

“Esta iniciativa é outro exemplo da agenda política de Planned Parenthood. Como a maior organização provedora de abortos do mundo, fez 345 mil abortos e recebeu 616,8 milhões de dólares dos contribuintes somente no ano passado”, disse Mallory Quigley, vice-presidente de comunicação do grupo pró-vida Susan B. Anthony List.

“Além disso, (Planned Parenthood) despediu sua ex-presidente Leana Wen, porque ela queria se afastar do foco político da organização. Não surpreende que Planned Parenthood esteja refinando seus esforços em Wisconsin, um estado onde haverá uma luta para determinar o resultado das eleições de 2020”, acrescentou.

Os Green Bay Packers também não responderam ao pedido de declarações de NCR.

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Natalia Zimbrão.