Na Ucrânia, ordenam bispo católico mais jovem do mundo

Igreja

No último domingo, 12 de janeiro, Dom Stepan Sus, 38 anos, foi ordenado bispo na Catedral da Ressurreição de Cristo em Kiev (Ucrânia), sendo o bispo católico mais jovem do mundo.

O Sínodo dos Bispos da Igreja Greco-Católica da Ucrânia escolheu canonicamente Dom Sus para ser o Bispo curial da Arquidiocese Maior de Kiev-Halyč. O Papa Francisco confirmou sua seleção em 15 de novembro de 2019.

O Prelado disse que soube da sua nomeação dois dias depois de correr 10 km na Maratona de Marines, em Washington, DC, com veteranos ucranianos feridos.

“Quando os músculos ainda estavam doendo, descobri que tinha uma nova maratona na vida da Igreja”, disse Dom Sus, depois de sua consagração episcopal, segundo ‘Lviv Portal’.

Após sua ordenação sacerdotal na Arquidiocese de Lviv (Ucrânia) em 2006, Dom Sus serviu como capelão militar. De 2012 a 2019, foi pároco da Igreja da Guarnição dos Santos de São Pedro e São Paulo e serviu como assessor da Arquidiocese de Lviv.

Apesar de sua juventude, Dom Sus foi exposto ao sofrimento humano, pois realizou pelo menos 76 funerais para ucranianos assassinados na região de Donbass desde 2014, em meio a uma guerra com separatistas pró-russos.

Dom Sus disse que, ao aceitar sua posição, pensou nos mártires da Igreja Greco-Católica ucraniana “que se converteram em sacerdotes e bispos em um momento em que não havia liturgias solenes” e terminaram suas vidas exilados em campos de trabalho forçado. Disse que rezou pela intercessão dos mártires para torná-lo digno do ministério de um bispo na Igreja Greco-Católica da ucraniana.

Nascido em Lviv, Dom Sus estudou na Universidade Católica da Ucrânia e no Seminário Maior do Espírito Santo, em Lviv, antes de obter um mestrado em teologia pela Universidade Católica de Lublin (Polônia).

O Arcebispo maior de Kiev-Halyč, Dom Sviatoslav Shevchuk, foi o principal consagrante de Dom Sus.

“As raízes antigas da Igreja de Kiev aqui, nas margens do Dnieper cinza, produzem um novo broto. Fomos assassinados e crucificados muitas vezes, mas nossas raízes estão vivas”, disse Dom Shevchuk em sua homilia na Missa.

Dom Sus assinalou que não sabe o que o futuro trará, mas o colocou nas mãos de Deus, que o chamou para este ministério.

“Não importa o quão assustadora seja a palavra ‘cúria’, sei que com Deus todas as dificuldades podem ser superadas”, assinalou o Prelado.

Publicado originalmente em CNA. Traduzido e adaptador por Nathália Queiroz.