Netflix reconhece que especial de Natal do Porta dos Fundos ofende cristãos

Atualidades

Um representante legal da Netflix na Espanha reconheceu que o filme “A Primeira Tentação de Cristo”, que apresenta Jesus como um homossexual e a Virgem Maria como uma prostituta, é ofensivo para os cristãos.

A Associação de Advogados Cristãos apresentou na Espanha uma denúncia que foi admitida e está em tramitação em um tribunal de Madri.

A organização de juristas apresentou a denúncia considerando que a plataforma de conteúdo online, com a veiculação deste filme, cometeu crime contra os sentimentos religiosos na forma de escárnio, tipificado no artigo 525 do Código Penal.

O depoimento do imputado, ou seja, da Netflix, ocorreu em 9 de setembro após a retomada das atividades dos tribunais depois da paralização decorrente da pandemia da COVID-19.

Um representante legal da plataforma de vídeo reconheceu em sua declaração perante o juiz que este filme, que atualmente tem cerca de três milhões de visualizações, é de fato ofensivo contra os cristãos.

Perguntado pela Associação de Advogados Cristãos se a plataforma transmite filmes que possam ofender outras religiões ou grupos no mesmo grau, o representante da Netflix garantiu que não transmitem este tipo de conteúdo.

Esta denúncia se junta a outra também apresentada por Advogados Cristãos contra a Netflix por causa da próxima oferta do filme “Cuties”, que segundo a organização jurídica “incentiva a pedofilia”.

Polonia Castellanos, presidente de Advogados Cristãos, garante que “primeiro atacam os católicos e agora promovem a pedofilia. Que tipo de plataforma é essa?”.

A denúncia aguarda a resolução do juiz que decidirá se abre ou não o julgamento oral e o julgamento, ao considerar que pode ser um crime.

Filme não concorrerá ao Emmy

Após a repercussão negativa de “A Primeira Tentação de Cristo”, a Netflix decidiu não inscrever este filme na disputa pelo Emmy Internacional. No ano passado, a produtora havia vencido como melhor comédia com outra obra blasfema do Porta dos Fundos, “Se Beber, não Ceie”.

Após o lançamento de “A Primeira Tentação de Cristo” em dezembro de 2019,muitos criticaram a obra por seu conteúdo blasfemo. Milhares de pessoas assinaram petições no Brasil e em outros países solicitando a retirada do filme da plataforma, bem como realizaram campanhas pelo cancelamento da assinatura da Netflix.

Além disso, em janeiro deste ano, o desembargador Benedicto Abicair, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, determinou que a Netflix retirasse do ar o filme, atendendo ao pedido da Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura.

Na decisão, o desembargador assinalou que “o direito à liberdade de expressão, imprensa e artística não é absoluto” e “que deve haver ponderação para que excessos não ocorram, evitando-se consequências nefastas para muitos, por eventual insensatez de poucos”.

Entretanto, Netflix recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF), que autorizou a exibição do filme.

POR: ACI