Nicarágua: Sacerdote foi preso injustamente pela ditadura de Ortega

Igreja

O secretário-geral da Conferência Episcopal da Nicarágua, Dom Juan Abelardo Mata, denunciou a prisão arbitrária de Pe. Alcides Peña pela Polícia Nacional e indicou que foi um ato de intimidação.

Dom Mata, também Bispo de Esteli, fez a denúncia no último domingo. Indicou que Pe. Peña foi preso no sábado, no município de Ocotal, no departamento de Nueva Segovia, e libertado no dia seguinte.

O Prelado disse que “o crime do qual o acusam [ao Pe. Peña] é de alterar a ordem pública por 31 vezes” durante uma Missa, por isso denunciou as “arbitrariedades desta detenção” nas quais “foram violados, mais uma vez, os direitos humanos elementares e o devido processo legal”. Também pediu à Polícia Nacional “que se responsabilize por esses abusos de autoridade”.

O Bispo assegurou ainda que desde o início da crise sociopolítica, em abril de 2018, a Polícia Nacional renunciou à missão de proteger os nicaraguenses.

Entre outros pontos, o secretário-geral da CEN pediu respeito pelo trabalho realizado por Pe. Peña e ressaltou que “é inaceitável qualquer ato de intimidação e perseguição contra aqueles que consagraram sua vida a serviço de Jesus Cristo, razão pela qual os abusos e violações dos direitos fundamentais de nosso povo não podem ser silenciados, neste caso, a liberdade religiosa”.

A CEN participou como mediadora e testemunha em uma tentativa de diálogo com o governo de Daniel Ortega em maio de 2018, mas o presidente da Nicarágua descreveu os bispos como “golpistas”.

A crise sociopolítica começou na Nicarágua em maio de 2018. Segundo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, até o momento causou 328 mortes, embora as organizações locais digam que foram 651.

ACI