Nova York: Sistema de saúde católico participa de ensaios para tratar COVID-19

Coronavírus Igreja

O Catholic Health Services (CHS) de Long Island, Nova York, um sistema integral de saúde católico sem fins lucrativos, participa em dois ensaios da Clínica Mayo que buscam desenvolver tratamentos para o novo coronavírus COVID-19.

“Nossas equipes clínicas passaram várias semanas cuidando de pacientes com COVID-19. Significa muito para todos participar desses dois esforços de pesquisa de ponta”, disse Jason Golbin, vice-presidente sênior e diretor de Qualidade da CHS, em um comunicado em 15 de abril.

O primeiro dos ensaios envolve tratamentos com plasma de pessoas convalescentes, retirado do sangue de pessoas que tiveram COVID-19 e se recuperaram. Esse teste é realizado em todos os seis hospitais do CHS.

O plasma só pode ser administrado a um paciente de COVID-19 com o seu consentimento ou com o consentimento de um membro da família, diz o CHS, e será administrado àqueles pacientes que um médico considere em alto risco de progressão da doença a grave ou à morte.

A recuperação dos pacientes de COVID-19 ocorre por causa dos anticorpos de seu sangue, e os dados iniciais do estudo mostram que os tratamentos com plasma são “um benefício para alguns pacientes, levando a uma melhora”, diz CHS.

O segundo ensaio, indica a instituição católica, envolve o uso do medicamento remdesivir, que foi desenvolvido para tratar o vírus Ebola e demonstrou ser seguro para uso em humanos.

Três dos hospitais da CHS (St. Francis Hospital, The Heart Center e Good Samaritan Hospital Medical Center) participam deste estudo.

Remdesivir foi usado com sucesso no tratamento de outros coronavírus no passado, incluindo síndrome respiratória aguda grave e síndrome respiratória no Oriente Médio, bem como alguns dos vírus que causam o resfriado comum, relata a Scientific American.

Também indica que o regime de tratamento com remdesivir dura 10 dias e deve ser administrado por via intravenosa, por isso os pacientes podem obtê-lo apenas em um hospital.

CHS disse que o uso do medicamento tem provas limitadas para os Estados Unidos, Canadá, China e outros lugares, que levaram a uma melhora na condição de alguns pacientes com o coronavírus.

Confirma-se que cerca de dois milhões de pessoas em todo o mundo estão infectadas com COVID-19, com quase 140 mil mortes informadas.

Nova York é o estado mais afetado do país em termos de número total de infecções, com quase 214 mil casos confirmados.

Em resposta ao apelo do governador Andrew Cuomo aos hospitais para se preparar para uma onda de casos em Nova York, um antigo lar de idosos católico perto de Buffalo abriu em 14 de abril como um centro de reabilitação para pacientes com coronavírus, que receberam alta dos hospitais católicos e não estão prontos para voltar para casa.

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz.