Paróquia das Graças completa 150 anos de missão e evangelização no Recife

Igreja no Brasil

Há 150 anos, a Assembleia Legislativa Provincial de Pernambuco promulgava a Lei Nº 939 que criava a Freguesia de Nossa Senhora da Graça da Capunga. Iniciava-se ali a caminhada missionária e pastoral desta Paróquia em zelar pelo bem espiritual da porção do povo de Deus que lhe fora determinada. “Olhando-se os documentos da época, viu-se que a Paróquia foi criada a partir do desmembramento da freguesia da Boa Vista, que era muito extensa”, explicou o padre Josenildo Tavares, atual pároco. “Os moradores da Capunga achavam-se distantes da Matriz da Boa Vista e, sentindo-se desassistidos pelo padre, pleitearam um para si, que vivesse mais perto de seu povo”, comentou.

Na noite de segunda-feira, 22 de junho, na matriz das Graças, dom Fernando Saburido presidiu missa em ação de graças pelos 150 anos de criação da Paróquia, um marco da vitória do povo. O bispo auxiliar, dom Limacêdo Antônio, fez a homilia. No presbitério, outros quatro padres concelebravam, incluindo o pároco Josenildo. “Uma alegria, uma grande honra ver bispos e padres aqui na Paróquia, celebrando comigo e com o povo este dia tão significativo”, comentou padre Josenildo. A celebração pelos 150 anos aconteceu com as portas fechadas e foi transmitida pelas redes sociais da Paróquia (YouTube, Facebook e Instagram).

“Hoje haveria uma grande festa no bairro, mas a pandemia mudou nossos planos, e estamos nós, aqui, na simplicidade, celebrando este momento especial”, disse dom Fernando. “É um dia tão importante e bonito que outros padres que já viveram sua história aqui, passaram por aqui, juntaram-se a nós para render graças a Deus pelos 150 anos da Paróquia das Graças, paróquia que hoje é tão bem conduzida pelo padre Josenildo, com suas ações pastorais que ajudam tantas e tantas pessoas”.

A paróquia Nossa Senhora das Graças inclui em seu território as capelas dos Manguinhos, Jaqueira e do Derby (Santa Teresinha). Quem circula pelo bairro das Graças não pode deixar de perceber a igreja matriz, pintada em azul forte, sempre com agentes de pastorais e funcionários às voltas com as atividades de evangelização, assistência social e espiritual, missionária, encontros e missas. É ponto de referência no bairro. Mas não foi sempre assim.

Até a criação da Paróquia, em 1870, foram 14 anos de muita luta. Petições à Assembleia Legislativa Provincial, projetos de lei, derrotas na votação, projetos arquivados. Os esforços eram para tornar matriz a capela dos Manguinhos. A história ganhou novo rumo quando um casal doou um terreno para construir uma igreja dedicada a Nossa Senhora das Graças, em 1857. Na opinião de muitos, o novo templo deveria ser a matriz, e não a igreja dos Manguinhos, como se articulava.

Depois de idas e vindas da lei, quereres de bispos e orações dos fiéis, a freguesia Nossa Senhora da Graça é criada em 8 de setembro de 1870 – dia da Natividade de Nossa Senhora. A instalação canônica da Paróquia aconteceu na capela de São José dos Manguinhos, designada para matriz provisória, e o padre Augusto Franklin Moreira da Silva foi nomeado o primeiro vigário. Dois anos depois, Dom Vital abriu a igreja de Nossa Senhora das Graças ao culto público, mas como ainda estava em obras, somente em 1878 é que oficialmente determinou que fosse a sede definitiva da Paróquia.

Histórias à parte, a Paróquia de Nossa Senhora das Graças é uma das mais ativas e animadas da Arquidiocese. O auxílio prestado aos presos por meio da Pastoral Carcerária é comovente. “Nosso povo é muito bom e faz campanha sempre para conseguir material de higiene pessoal para nossos irmãos que sofrem nas unidades prisionais do Estado”, disse padre Josenildo.

Pastorais, movimentos e encontros animam a vida da Igreja, que se prepara para reabrir as portas no próximo dia 27. “Vamos com calma, respeitando as orientações da Arquidiocese quando à quantidade de fiéis, higienização e distanciamento entre pessoas”, comentou o pároco. “Segurança é fundamental nesse processo”, completou.

Um detalhe para encerrar a matéria com um misto de orgulho e curiosidade: o Hino da Padroeira foi composto por Nelson Ferreira (sim, das músicas de Carnaval) em parceria com Costa Rego Júnior. Segue um trecho da letra: “Protegei nossa Paróquia / Protegendo nosso lar / Pois está nossa ventura / Na glória de vos amar”.

POR: Pascom AOR