Pesquisador de Cambridge expõe perseguição crescente a cristãos na Turquia

Igreja

O doutor em religião comparada e pesquisador associado sênior do Instituto de Estudos Internacionais e Religião da Universidade de Cambridge, Alexander Görlach, escreveu uma coluna de opinião que denuncia e expõe a atual e crescente perseguição de cristãos na Turquia

“Uma das igrejas cristãs mais antigas do mundo está sob extrema pressão do estado turco. Isso não é um bom presságio para o futuro ” disse o colunista alemão do DW News , que também é conhecido na academia como principal investigador do Conselho Carnegie de Ética em Relações Internacionais e doutor em linguagem e política.

O especialista de Nova York deixou claro que a ” perseguição aos cristãos na Turquia continua “, pois “o mundo está ocupado lutando contra a pandemia do COVID-19, lidando com o desemprego em massa e uma recessão global”.

“O governo turco está aproveitando a situação para pressionar ainda mais as minorias. A marginalização dos cristãos na Turquia não é novidade para o presidente Recep Tayyip Erdogan: ele está ocupado reorganizando sua república secular em uma mistura de otomanismo e islamismo há algum tempo “, escreveu ele.

Görlach comenta que recentemente os cristãos sírios-aramaicos do sudeste do país começaram a temer por seus direitos e propriedades. 

“As autoridades turcas simplesmente começaram a alocar terras de propriedade de uma comunidade ou de uma pessoa particular a outros proprietários, expropriando os cristãos. Durante o confronto armado com os curdos, as igrejas nesta parte do país também foram destruídas “, afirmou o acadêmico sobre a situação atual.

Ele também comentou que, devido à recente ofensiva militar turca no norte da Síria, cerca de 200 mil pessoas, entre muitos cristãos, não tiveram escolha a não ser “fugir de casa” e agora “não podem retornar devido ao conflito”. .

“Erdogan prometeu reconstruir as igrejas, mas a discriminação sistemática e de longa data contra a minoria cristã da Turquia sugere que ele não está realmente falando sério sobre reviver a vida religiosa cristã”, escreveu o Dr. Görlach.

Para explicar a discriminação, ele deu o exemplo de Sefer Bilecen, um padre ortodoxo sírio de Mardin (sudeste da Turquia), que em janeiro foi acusado de ser membro de um grupo terrorista.

“Dizem que ele deu água e pão aos combatentes curdos que bateram na porta de seu mosteiro”, disse ele, acrescentando que, em sua defesa “, o padre argumentou que ele ajudaria quem quisesse, é seu dever cristão. ” 

“Ele foi libertado da prisão depois que várias organizações humanitárias intervieram, mas ele ainda está em julgamento”, acrescentou o Dr. Görlach.

Em sua análise, o especialista em religião acredita que “se os cristãos continuarem cada vez mais próximos das milícias curdas que lutam contra o estado turco, eles provavelmente serão mais marginalizados aos olhos dos apoiadores de Erdogan, cerca de um em cada dois turcos ”.

 Passo a passo, usando a retórica nacionalista e islâmica, os cristãos na Turquia estão se tornando um bode expiatório bem-vindo para Ancara (capital turca). Erdogan calculou mal em várias frentes na Síria e na Líbia e agora está procurando alguém para servir como diversão. O destino de Sefer Bilecen, que ainda aguarda seu veredicto, reflete o de uma minoria cujo futuro em sua terra natal é tudo menos certo “, concluiu o Dr. Görlach.

ACI