Porque os jovens deveriam ler o Livro Confissões de Santo Agostinho?

Artigos/Opinião

No dia 28 de Agosto, comemora-se a festa de um grande Santo e Doutor da Santa Igreja: Santo Agostinho de Hipona, nascido em Tagaste em 354 d.c. em uma região no norte da África, chamada Numídia, onde hoje é a Argélia.

Em uma breve síntese, o livro: “Confissões” conta toda sua história e os pecados contra quais Agostinho lutou durante sua vida. Inicialmente as “birras” cometidas enquanto criança, até a prática da heresia Maniquel, que o seguiu por alguns anos.

Assim como grande parte dos jovens e adultos do mundo atual, Agostinho padeceu pelos pecados carnais, confessando de forma clara seus pecados de concupiscências da carne, que iam de comer frutos roubados até sexo desregrado. Ele também era adepto de jogos e tinha ódio pelos estudos.

Agostinho também era admirador da Oratória e da Retórica, que o permitiam manter-se em evidência. Comparando aos jovens de hoje em dia que utilizam das redes sociais para manter-se cercados de vãs-admiradores e fazem de tudo por 15 minutos de fama.

Como se não bastasse, Agostinho acabou caindo na tentação da astrologia e adivinhação, consultando, os chamados por ele de “impostores”, buscando socorro em todo tipo de prática mundana fora da Santa Igreja.

Reconheceu suas misérias e afirmou: “Mas eu, miserável, deixando-te, converti-me em torrente, seguindo o ímpeto de minha paixão, e transgredi todos os teus preceitos, embora não tenha escapado de teus castigos.”.

Não conseguia encontrar a felicidade através das práticas mundanas. Ele criou o conceito de “cor inquietum” (coração inquieto) e diz em seu livro: “fizeste-nos Senhor para Ti e o nosso coração anda inquieto enquanto não descansar em Ti”.

Buscava preencher um espaço dentro de si, como fazem os jovens, entretanto, acabou entrando por caminhos perniciosos, por falta de orientação e buscando Deus onde Ele não está. 

Perdem-se os jovens comumente em tais práticas abjetas: Uso de drogas, vangloriado por músicas e pelo mainstream; Sexo desregrado com abandono à castidade e as regras da Igreja; Busca da fama para se alimentar de uma vã exaltação; Adoção de meios mundanos para socorro próprio como a pratica dos signos, espalhada por jornais e revistas, mas que é proibida pela Santa igreja.

Assim como Agostinho percebeu com o passar dos anos, os jovens perceberão com o tempo, que tais práticas são inócuas e não levam à paz que Cristo nos prometeu.

Voltando à narrativa, é possível perceber as dores de sua mãe: Santa Monica, que rezava por ele incessantemente e copiosamente derramava lágrimas pedindo pela salvação de seu filho.

Após sofrer por suas escolhas, Santo Agostinho acaba se convertendo e encontrando Cristo, a suma Verdade, tornando-se posteriormente um dos Santos mais impactantes na história da Santa Igreja Católica.

 “Ó Verdade, luz de meu coração, faze com que se calem as trevas que me envolvem. Deixei-me cair nas trevas e fiquei às escuras; mas, do fundo desse abismo, sim, desse abismo, eu te amei ardentemente. Andei errante, mas me lembrei de ti. Ouvi tua voz que, atrás de mim, me dizia que voltasse; mas dificilmente podia escutá-la, por causa do tumulto de minhas paixões insatisfeitas. E agora eis que, ardente e anelante, volto à tua fonte. Que ninguém me proíba: beberei de tua água, e então hei de viver. Que não seja eu minha própria vida! Vivi mal por minha culpa, e fui a causa de minha morte. Em ti eu revivo! Fala-me, ensina-me. Creio em teus livros, e tuas palavras encerram profundos arcanos”.

Seu amor por Deus é digno de imitação, ele escreve um belo poema, chamado de Solilóquio de Amor: 

“Tarde te amei, Beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! E, no entanto, estavas dentro de mim, e eu fora, a te procurar! Minha feiura se lançava sobre toda a beleza que criaste. Estavas comigo, e eu longe de ti. Prendiam-me longe de ti coisas que nem existiriam, se não existissem em ti. Tu me chamaste, gritaste por mim, e venceste minha surdez. Brilhaste, e teu esplendor pôs em fuga minha cegueira. Exalaste teu perfume, respirei-o, e agora suspiro por ti. Eu te saboreei, e agora sinto fome e sede. Tocaste-me, e o desejo de tua paz me inflama”.

Respondendo à pergunta primária, o jovem deveria ler o livro: “Confissões”?

A leitura de tal livro, possibilitaria ao leitor, romper as amarras deste mundo, que cegam os jovens adultos que buscam sentido nas coisas deste mundo, valendo-se até do exemplo de Santa Monica, que conseguiu converter seu filho por tanta oração e lágrimas.

É possível perceber também, os sofrimentos que o Santo passou quando se entregou livremente aos caminhos errados deste mundo e que com boa vontade e por providencia Divina, conseguiu vencer, e finalmente encontrou a paz para seu coração inquieto, quando contemplou a Verdade, ao ouvir os clamores de Cristo, que estava dentro dele.

Tornou-se verdadeiramente livre, quando tomou as rédeas de sua vida e caminhou segundo á luz da Verdade.

Por: Thiago Salomão