Primeiro ministro da Polônia se manifesta contra profanação de monumento católico em Varsóvia, MP da Polônia investigará ato

Igreja

Em um post no Facebook, o chefe de governo Mateusz Morawiecki se referiu à ação de grupos anticatólicos que colocaram bandeiras e lenços de arco-íris com um símbolo referente ao movimento anarquista nos famosos monumentos de Varsóvia durante a noite de terça a quarta-feira.

No post no Facebook com suas fotos em frente à estátua de Cristo, o primeiro-ministro Morawiecki afirmou que “a condição básica de qualquer debate civilizado sobre tolerância é definir os limites dessa tolerância”. “Você pode justificar qualquer comportamento, mesmo o mais iconoclasta, lutando por sua visão do mundo? O fim justifica os meios? Definitivamente NÃO!” – escreveu o chefe de governo.

Segundo o PM Morawiecki, existem certos limites que foram ultrapassados ​​ontem. “A figura profanada de Jesus de Krakowskie Przedmieście não é apenas um símbolo religioso, mas também uma testemunha da dramática história da capital. A mesma Varsóvia que sofreu nas mãos de pessoas que não toleravam uma visão do mundo que outros tinham. “- PM apontou.

“Cada lado da grande disputa ideológica de nossos tempos, que está crescendo em todo o mundo e cujos efeitos também são sentidos na Polônia, deve entender que existem certos limites ao nível de agressão que não podem ser excedidos. E nós não se trata apenas de agressão física, mas, sobretudo, da mídia e da agressão verbal – na esfera da cultura, dos símbolos e da ideologia, porque hoje esse tipo de agressão tem um impacto muito maior, referindo-se à ação que ocorreu em Varsóvia, Sr. Morawiecki afirmou que tais atos de vandalismo não levam a nada de bom e têm apenas um objetivo – dividir ainda mais a sociedade. “Não vou permitir!” – enfatizou.

Bandeiras de arco-íris foram colocadas em vários dos monumentos mais importantes de Varsóvia na noite de terça-feira. A polícia recebeu relatos de três desses incidentes. O manifesto publicado na Internet mostra que a ação visava visivelmente combater a homofobia.

“Isso é uma tempestade. É um arco-íris. É um ataque! Decidimos agir. Contanto que eles tenham medo de segurar sua mão. Até que a última van homofóbica desapareça de nossas ruas. Essa é a nossa manifestação de diferença – esse arco-íris. Enquanto a bandeira escandalizar alguém e for + inapropriada +, prometemos provocar ”, lê o comunicado publicado nas redes sociais.

As fotos anexadas à entrada mostram monumentos com bandeiras arco-íris e lenços na cabeça com um símbolo referente ao movimento anarquista. Um cachecol estava amarrado, entre outros, no rosto da famosa sereia de Varsóvia. Nos pedestais dos monumentos também é possível ver cartões com o conteúdo do manifesto, no qual estava escrito que “esta cidade é para todos nós”. As fotos mostram que o caso diz respeito a pelo menos alguns monumentos, incl. o monumento de Nicolaus Copernicus em Krakowskie Przedmieście e o monumento de Wincenty Witos em Plac Trzech Krzyży (Praça das Três Cruzes).

A polícia foi informada de três incidentes. Como Rafał Rutkowski, do Departamento de Comunicação Social da KSP, disse em entrevista ao PAP, às 3h30, foi recebida uma notificação sobre o monumento de Nicolaus Copernicus e, pouco depois das 7 horas – pedido para o monumento de Jan Kiliński e a Sereia de Varsóvia. Ninguém foi preso. “Em cada um desses casos, os policiais realizam atividades em termos de determinação do monitoramento, possíveis testemunhas, autores deste evento” – afirmou o policial.

POR: POLAND IN