Projeto do governo socialista espanhol pode expulsar monges beneditinos do Vale dos Caídos e transformá-lo em um cemitério civil

Atualidades

O Conselho de Ministros do governo socialista da Espanha aprovou esta terça-feira o projeto de lei da Memória Histórica, que mudaria o nome do regulamento para “Memória Democrática” e prevê a inclusão de multas de até 100.000 euros para quem o violar. 

Em 2007, o então presidente da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, aprovou a lei da Memória Histórica e agora o governo socialista de Pedro Sánchez a atualizou.

Um dos pontos mais relevantes do projeto é que o Governo pretende converter o Vale dos Caídos num local de “memória pedagógica democrática”, para que proceda a uma “ressignificação” do local.

O Governo pretende que o Vale dos Caídos deixe de ser “um monumento de exaltação aos vencedores da Guerra Civil” e se torne um “cemitério civil” no qual “as 30 mil vítimas [ali enterradas] de ambos os lados tenha paz e respeito ”.

Este cemitério civil estaria sob a custódia do Patrimônio Nacional e não da Fundação da Santa Cruz, da ordem beneditina que habita e está a cargo da Abadia de Valle.

Além disso, a Fundação da Santa Cruz será extinta, o que poderia significar a saída dos Beneditinos do Vale dos Caídos, mas este é um ponto que ainda não foi decidido. 

No Vale dos Caídos, estão enterradas mais de 33.800 pessoas, tanto do lado republicano quanto do lado nacional, que foram levadas sem o consentimento de suas famílias, para o que se espera a criação de um protocolo de exumação desses restos mortais. 

Lei da Memória Histórica

A Lei da Memória Histórica foi aprovada em 2007, durante o governo socialista de José Luis Rodríguez Zapatero e estabelece uma série de medidas a favor dos perseguidos ou violentos durante a Guerra Civil Espanhola e a posterior ditadura de Francisco Franco.

Essas medidas incluem a retirada de monumentos, símbolos ou nomes de lugares públicos relacionados à Guerra Civil e à ditadura. No entanto, vários especialistas consideram-na uma lei polêmica porque não favorece a reconciliação dos espanhóis.

Os monumentos da Igreja Católica estão fora da aplicação desta lei; no entanto, isso não foi respeitado ocasionalmente e tanto as cruzes quanto os nomes de ruas relacionados a ordens religiosas foram removidos.

Vale dos Caídos

O Vale dos Caídos foi construído entre 1940 e 1958 como um mausoléu para aqueles que lutaram na Guerra Civil Espanhola. É um conjunto arquitetônico onde existe uma abadia beneditina, que possui uma cruz, uma escada, uma esplanada e uma basílica.

Francisco Franco foi sepultado ali após sua morte em 1975, bem como José Antonio Primo de Rivera, criador da Falange, o partido político com o qual o ditador apoiou seu regime. Os corpos de quase 34.000 combatentes da Guerra Civil de ambos os lados também descansam ao lado deles.

É um monumento polêmico, porque para seus detratores é uma memória do regime de Franco e a exaltação da memória de Franco.

Em outubro de 2019, os restos mortais de Francisco Franco foram exumados do Vale dos Caídos e transferidos de helicóptero para o cemitério de Mingorrubio, em Madrid. 

POR: ACI PRENSA