Sacerdote australiano salva surfista de ataque de tubarão

Igreja

Pe. Liam Ryan, que é surfista há muitos anos, estava de férias visitando seu melhor amigo na Austrália Ocidental quando, na tarde de 31 de julho, viu outro surfista sendo atacado por um tubarão.

“Eu o vi fora de sua prancha, parecendo realmente perdido e havia apenas meia prancha flutuando lá”, disse o Pe. Ryan, de 33 anos, ao The Catholic Leader, o jornal diário da Arquidiocese de Brisbane.

O sacerdote, que estava surfando em Bunker Bay, cerca de 96 quilômetros de Bunbury, assegurou que houve um silêncio assustador antes que um grande tubarão branco, que havia mordido a prancha de Phil Mummert, reaparecesse para continuar seu ataque.

“E então vimos esta enorme abertura. O tubarão saltou sobre ele… e depois afundou novamente”, disse o sacerdote ao The Catholic Leader.

Segundo testemunhas e o próprio Mummert, este último usou metade de sua prancha quebrada para tentar afastar o tubarão e acertou a cabeça do animal com as próprias mãos, informou a estação de notícias local 7News Perth.

Mais tarde, o Pe. Ryan disse ao 7News Perth que o tubarão, que tinha 4 a 5 metros de comprimento, era “grande o suficiente para fazer homens adultos chorarem”.

“Comecei a gritar ‘ajudem-no, ajudem-no'”, disse o Pe. Ryan ao The Catholic Leader.

Felizmente, os pedidos de ajuda do sacerdote foram ouvidos por outro surfista próximo, Alex Oliver, que nadou até Mummert e o subiu ao seu longboard. Então, Oliver e o Padre Ryan remaram da prancha até a margem.

De acordo com o The Catholic Leader, Mummert estava “sangrando abundantemente” quando chegaram à costa, com profundas mordidas de tubarão na parte superior da perna.

“Assim que chegamos à areia, alguém apertou a ferida com a mão para estancar o sangramento”, disse o Pe. Ryan.

O sacerdote disse que assim que Mummert foi levado de avião para o hospital, passou “um momento tranquilo, de solidão nas dunas de areia”.

“Chorei um pouco e simplesmente agradeci ao Senhor”, disse ao The Catholic Leader. A companheira de Mummert, Misha Wright, disse ao jornal que ela atribuía a salvação da vida de Mummert ao Pe. Ryan.

“Ele não só arriscou a própria vida para ajudar a salvar a de Phil, mas também correu até o final da praia para me contar o que aconteceu e tirar todo mundo da água”, disse.

“Honestamente, não sei como uma pessoa pode ver um estranho sendo atacado por um grande tubarão branco de quatro metros e nadar em sua direção para salvá-lo, por isso estamos muito gratos a todos que ajudaram a salvar a vida de Phil”, acrescentou.

Em 3 de agosto, Mummert já estava novamente em casa e com muletas. Reuniu-se com o Pe. Ryan, Oliver e vários outros que ajudaram a salvar a sua vida.

“Eles são a definição de heróis! Quero dizer que arriscaram suas próprias vidas para vir me ajudar”, disse Mummert ao 7News Perth.

Pe. Ryan disse ao The Catholic Leader que não hesitou em ajudar.

“Há algo muito dentro de mim que quer ajudar. O cristianismo se baseia no princípio de que alguém dá a vida por ti. Encontrei-me com o que seria um dos maiores temores para muita gente, para muitos surfistas, mas o que me deu a força neste momento foi a graça de Deus”, assegurou.

Pe. Ryan acrescentou que não queria que a experiência o impedisse de surfar e disfrutar da água, que sempre foi uma de suas formas favoritas de relaxar e desfrutar da criação de Deus. Disse que voltou à mesma praia no dia seguinte para oferecer a oração da manhã e a Missa.

“Não queria que aquele evento, por mais traumático que tenha sido, tirasse tudo o que o surf significou para mim, todas as boas ondas e as pessoas que conheci”, disse.

Pe. Ryan foi ordenado sacerdote em agosto de 2019, depois de ter frequentado o Seminário Redemptoris Mater, em Perth. Os ataques fatais de tubarão em águas australianas são raros, e o país tem uma média de 1,1 morte por ataques de tubarão por ano. Este ano, já houve uma taxa de mortalidade acima da média por ataques de tubarão, com 5 mortes até agora em 2020.

Publicado originalmente em Catholic News Agency. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz.

POR: ACI